sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Axl Logan - 28 - O Caminho de Cada Um



Essa é a história de um Sim chamado Axl Logan.
Acompanhe aqui suas aventuras (e desventuras)!

Dica: para uma melhor visualização (zoom), segure Ctrl e aperte o sinal de + no seu teclado (aperte - para diminuir).







ATENÇÃO, AMIGO (A) SIMMER! DÁ UMA LIDA AQUI:

Após ler o capítulo abaixo, deixe seu comentário:
1 - Aqui mesmo no blog (no final da página);
2 - Ou em meu perfil no Facebook (perfil temporariamente desativado);
3 - Ou no grupo The Sims Eden, no Face.
Seu comentário é importante e me incentiva bastante!
Um grande abraço! J


Axl Logan
Livro II
Despertando

Capítulo 28 – O Caminho de Cada Um


Resumo do capítulo passado:
Axl, Nick e o guia Benício seguem atrás de Kyra e Haesel nas ruínas do antigo povo Omiscan na Selva de Belomísia, mas, quando chegam ao aposento final do último templo, revelações sobre as intenções do guia e do ator Refaeli chocam Axl, que, aparentemente, foi abençoado pelos deuses locais.



Poucos meses atrás, na residência da família Myers.
Duas semanas após a “morte” de Haesel e de Melissa.
No Verão.



Troy tinha passado duas semanas sem sair de casa, “enlutado”. Mas, naquela noite, alguns amigos o fizeram ir a um clube com eles, já que estavam preocupados com o ruivo, por ele ter perdido as duas irmãzinhas de forma tão trágica (“perdidas na selva e comidas por jacarés”). E, por isso, ele chegou em casa no final da madrugada, acompanhado de dois de seus capangas, que o seguiam aonde quer que ele fosse, fazendo o papel também de seus seguranças pessoais.





Primeiro, como de costume, os “guarda-costas” checaram se a casa estava segura, se não havia algum intruso lá dentro. E depois que confirmaram que estava tudo bem, os dois se posicionaram do lado de fora da entrada da mansão, atentos a quaisquer movimentos que pudessem parecer suspeitos.



E então Troy subiu.



Foi direto para o quarto que, antes, pertenceu a seu pai, Branson, e a sua madrasta, Grace Myers (ele ainda não sabia que o verdadeiro nome dela era Kyra Dwayne).



Tinha feito daquele o seu novo aposento e tinha planos de breve contratar um serviço de designers para mudar a decoração dali, que achava que nada tinha a ver com ele (Troy desejava colocar um caixão naquele quarto. Era onde realmente queria dormir).



Tomou um demorado banho de espuma, despreocupado. Não tinha realmente problemas de consciência com o que tinha feito com as duas garotas, embora demonstrasse, para as pessoas, uma “dor imensa por tê-las perdido na selva”. Tudo fingimento, claro.



Estava se preparando para ter uma boa noite de sono quando seu celular tocou. Era um de seus capangas e o sujeito já tinha lhe ligado várias vezes naquela noite, mas ele não pôde atender, afinal, estava se divertindo; o homem, inclusive, tinha lhe mandado um sms: “É urgente, Senhor!”.
É que Troy tinha herdado, de seu pai, a liderança da organização criminosa chamada “Irmandade”*, e estava comandando os “negócios” escusos com mãos de ferro.

* Nota: A Irmandade é citada pela primeira vez, nesta história, no Capítulo 13.



O que terá acontecido dessa vez?”, o ruivo pensou, encarando o celular e decidindo que agora, sim, atenderia a ligação.