sábado, 22 de setembro de 2018

Axl Logan - 26 - Preciso Saber / Preciso Contar



Essa é a história de um Sim chamado Axl Logan.
Acompanhe aqui suas aventuras (e desventuras)!

Dica: para uma melhor visualização (zoom), segure Ctrl e aperte o sinal de + no seu teclado (aperte - para diminuir).






ATENÇÃO, AMIGO (A) SIMMER! DÁ UMA LIDA AQUI:

Após ler o capítulo abaixo, deixe seu comentário, aqui mesmo no blog (no final da página) ou no post, no Facebook, em “Histórias da Sally Winter no The Sims”! Seu comentário é importante e me incentiva bastante! Um grande abraço! J


Axl Logan
Livro II
Despertando

Capítulo 26 – Preciso Saber / Preciso Contar


Resumo do capítulo passado: Axl sai para conhecer a bela vila de Selvadorada; o vocalista recebe um e-mail onde alguém afirma que sua mãe e irmã se encontram fazendo uma pesquisa em um templo, na selva de Belomísia, por três dias; Axl contrata o guia Toni Puentes para levá-lo até elas; Gi finalmente decide marcar um encontro com “Midas”; Nick convence Isabella de que é mais seguro que ele mesmo vá ao templo com o vocalista, noivo da irmã.



Pouco mais de cinco meses atrás.
Em Forgotten Hollow.




Haesel e Melissa passaram dois dias trancadas naquela casa, sem eletricidade e sem ter muito o que fazer. Continuavam não se lembrando completamente das coisas e Hae preferiu não contar ainda à amiga sobre as poucas memórias que vieram a sua mente enquanto dormia.
Usavam umas roupas velhas que as duas pensavam pertencer provavelmente ao dono da casa onde estavam e tentavam ser o mais discretas possível para não serem notadas ali pela vizinhança.



— Não aguento mais ficar aqui neste lugar sem fazer nada. — Haesel suspirou, entediada. — Sinceramente? Tô quase abrindo aquela porta e indo atrás da polícia, como você queria!
— Hae, não foi você quem me convenceu de que isso é uma péssima ideia? — Melissa suspirou. — Vamos ficar aqui até nos lembrarmos de tudo, ok?
As duas tinham esses momentos em que a decisão de pedir ajuda aparecia desesperadamente. Mas tinham combinado que quando uma caísse, a outra seguraria a onda.



— E se a gente não se lembrar de nada mesmo, Mel? Vamos ficar nessa até quando, hein? Até...
Então elas escutaram um barulho de carro estacionando na frente da casa.
— Ai, pelo Grande Prisma, Hae! Alguém parou aí! Será o dono desta casa?!!



— Ok! Sem pânico!... Você vai até a porta de trás e fica de sobreaviso: eu vou ver quem chegou aí e, se eu gritar, você sai de fininho e depois corre o mais rápido que puder, combinado, Mel?
— Você é louca? Não vou te deixar aqui sozinha com sei-lá-quem!
— Vai sim! Porque, se necessário, em caso extremo, você vai correr daqui e aí sim vai pedir ajuda, certo? Agora, vai!




Mesmo não gostando nada da ideia, Melissa posicionou-se perto da porta. O coração acelerado.



E Haesel ainda tentou ver, pela janela, quem tinha chegado ali. No entanto, além de elas serem muito estreitas, também estavam bem sujas.




Vamos lá, Hae! Vamos lá! Pelo menos é emoção, algo para fazer, garota!”, ela respirou fundo, indo até a porta da frente.