sexta-feira, 7 de junho de 2019

Axl Logan - 36 - A Proposta



Essa é a história de um Sim chamado Axl Logan.
Acompanhe!

Dica: para uma melhor visualização (zoom), segure Ctrl e aperte o sinal de + no seu teclado (aperte - para diminuir).





Axl Logan
Livro III
Desperto

Capítulo 36 – A Proposta


Resumo do capítulo passado:
Axl e sua avó pegam a caixa que Kyra deu à Haesel e conseguem a metade do mapa; Troy mata alguns de seus capangas e faz com que Walker machuque a irmã do vocalista; um estranho bate na porta dos Dwaynes perto do amanhecer.


Continuando...



— Pois não? Posso ajudá-lo? — Axl perguntou, ao ver o estranho em sua varanda.
— Acredito que possa, sim. Meu nome é Dornelles* e eu sei que você foi quem entrou na Mansão Myers nesta madrugada, e com a ajuda da sua avó. Então, eu posso chamar a polícia e vocês dois conversam com eles ou... você pode me convidar para entrar e talvez cheguemos a um acordo.

* Nota: Mitchel Dornelles apareceu pela primeira vez no Capítulo 28 desta história.



O vocalista gelou diante daquelas palavras. Então se virou para ver se a avó já tinha saído dali com as caixas e a parte do mapa. Só havia as fotos na parede agora.



Cara, quem será esse sujeito?”, ele pensou. Não estava com medo porque sabia lutar e tinha seu Raio Sim. Mas estava tenso. “O que será que ele quer?”; e abriu a porta.



— Escolha certa, cara. — Dornelles sorriu, entrando.



— Fala logo. — Axl disse, de cara fechada.
— Vou ser direto: apenas desejo saber o que você quer com o Troy. Ninguém em sã consciência invadiria a casa dele. Então, ou você é completamente louco ou tem um motivo gigante para querer destruí-lo.
— Isso é um assunto particular. — O Dwayne falou.
O homem tirou os óculos e o gorro que usava; então, olhou o vocalista com muita seriedade e disse:



— Escute: se deseja acabar com ele, vou te ajudar nessa. Troy Myers me torturou, me deixou dias trancado em uma cela e, quando eu saí, me obrigou a vender meu único negócio para ele, por um preço ridículo, apenas para me punir por um “erro” meu.



— Ok... — Axl falou, sem saber muito bem o que dizer diante do que tinha acabado de ouvir. — Procura a polícia então, cara.
 Mas Dornelles, observando o local e notando as fotos na parede, disse:
— Vamos ver qual é seu interesse com o Myers.



— Ei, não te dei permissão para ver nada não, man!
— Se quer acabar com o reinado de Troy, vai ter que confiar em mim. — O homem falou, indo até as imagens, cheio de esperanças de que Axl tivesse algo de concreto contra o ruivo naquelas fotografias.



— Não quero acabar com nada do Myers não, man. Entrei lá apenas para bater umas fotos da minha irmã e da minha mãe. — O vocalista estava tão nervoso que acabou chamando Kyra de “mãe”, coisa que sempre evitava fazer; e ele nem notou essa palavra que usou. — Só isso. Eu ouvi dizer que ele é um cara perigoso e resolvi que seria melhor entrar lá escondido e tirar as fotos. Eu não quis correr o risco de pedir e o sujeito me dizer um não. — Axl disse, tentando enrolar Dornelles.



— Mãe e irmã? — O homem repetiu, olhando as imagens; não era bem aquilo que ele esperava. — Você é filho de Grace Myers?... — Então ele percebeu as semelhanças. — Você é filho de Grace e irmão de Haesel? — Ele riu.
— Qual a graça?



— Você e sua avó estão investigando o paradeiro da garota, não é? Vocês também querem ferrar o Troy! — Ele insistiu.
— Você está viajando, man. Não tenho condições de largar minha vida e me enfiar no meio da selva para ir atrás de um corpo que nem mais deve existir.
— Selva? — O homem o olhou, confuso.
— Isso! Ela e a moça chamada Melissa sumiram em Selvadorada. Já foram dadas como mortas faz tempo. Estava nos noticiários e tudo mais. — Axl disse, desconfortável em falar sobre aquele assunto e, principalmente, com um sujeito que não conhecia.



Hmmm... Estou começando a ver uma oportunidade de eu me dar bem aqui!”, Dornelles pensou; então, disse:
— Se ligue! Vou te contar algo que tenho certeza que você não sabe: não muitos dias antes da mídia falar sobre o desaparecimento dessas garotas, um rapaz, disfarçado, me procurou e comprou duas identidades falsas. Quando coloquei as fotos nos documentos, reconheci essas duas aí, apesar da morena estar loira e da ruiva estar com cabelos castanhos. Reconheci porque, uma vez, eu as tinha visto com o finado Sr. Branson Myers, pai do Troy.



— Como é que é?! O que você quer dizer com isso, cara? O que você está dizendo? — Axl ficou bem surpreso com o que ouviu.
— Estou dizendo que as duas podem estar vivas, se conseguiram escapar do Troy.
— Por que elas precisariam “escapar” dele? Nas fotos parecem todos bem.
— Eu não sei como era a vida familiar deles, mas posso te afirmar uma coisa: o Troy é um psicopata. Sem Branson e Grace no controle, com ele mandando em tudo dentro de casa e nos “negócios” da família, bato uma aposta que as coisas podem ter ficado difíceis para as duas por lá.



— E onde acha que elas estão? — Elena saiu da área do corredor que dava para os quartos; dali, ela tinha escutado toda a conversa.
— Eu não sei. — Dornelles respondeu. — Eu apenas vendi as identidades falsas para um carinha que estava disfarçado.
— E como soube que eu e meu neto entramos na Mansão Myers? E como poderemos ter certeza de que você não é um dos caras dele que veio aqui sondar o que queremos para correr e contar para seu chefinho? — Ela continuou indagando-o.



— Os caras dele entram batendo e, depois, perguntam. Além disso, por que eu diria a vocês que as garotas podem estar vivas? Se eu fosse um dos caras de Troy, ele é quem estaria aqui, com os capangas, porque vocês entraram na casa dele.



— Supondo que você não esteja mentindo, talvez Troy ache que elas estão conosco e te mandou aqui para sondar. Ou você veio nos falar isso para que nós dois, motivados pelos laços familiares que temos com Haesel, comecemos uma caçada por elas e, quando as acharmos, Troy as tire de nós.



— Mas que p$##@! Sei que vocês não têm motivos para confiar em um estranho, mas me escutem! — Dornelles disse, impaciente. — Eu tinha uma pequena loja de venda de materiais agrícolas nos limites de San Myshuno, ok? E eu também vendia documentos falsificados para a organização de Troy, a Irmandade*. E eu tinha que pagar uma taxa para ele, sobre as minhas vendas, para manter a “segurança” do meu estabelecimento. Mas um dia os caras dele descobriram que eu não estava pagando a quantia “correta”. Eu estava pagando menos, claro. E eles iam me matar. Mas eu implorei pela minha vida e me lembrei das duas! Então pensei que a informação sobre elas estarem com documentos falsos poderia ser útil, já que eu tinha visto que elas tinham “morrido” em selvadorada. E eu tinha certeza de que Troy não sabia dessa história de novos documentos, porque, se ele precisasse de identidades falsas para as gurias, ele e os homens dele teriam me feito fazê-las. Mas, não! Outro cara, e disfarçado, foi quem comprou para elas! Então, em troca da minha vida, contei isso para ele.

* Nota: A Irmandade é citada pela primeira vez, nesta história, no Capítulo 13.



— VOCÊ TÁ ME DIZENDO QUE ELA TENTOU FUGIR DELE E QUE VOCÊ ENTREGOU MINHA IRMÃ PRA ELE, SACANA?!! — Axl se descontrolou, empurrando-o.
— Para, Axl!!! — Elena puxou o neto. — Deixe-o falar!



— Eu não tive escolha, ok?!! Era a moeda que eu tinha para continuar vivo! E, ainda assim, aquele louco acabou comigo! Passei dias largado em uma cela! Mal comia, estava todo quebrado, cortado, machucado! Eles me arrebentaram! Eu quase morri! E, depois, ainda fui obrigado a vender minha loja para eles. Perdi tudo! É por isso que quero ajudar qualquer um que deseje acabar com ele, ok?! Ele acabou com minha vida!!!
— E como soube que entrei na casa dele nesta madrugada? — Axl perguntou, muito desconfiado ainda, enquanto Elena olhava Haesel em uma foto, imaginando se ela estaria realmente viva como aquele estranho dizia.



— Há semanas que tenho observado a casa dele. Fico sempre na pracinha e tento ser o mais discreto possível. E notei sua avó o dia inteiro por lá ontem. Como eu já sei quem são os detetives que vez ou outra aparecem na praça para vigiar a casa e tentar achar algo contra Troy, eu já sabia que não se tratava de polícia, então, quando sua avó saiu e foi para o furgão vermelho, fui para meu carro e esperei. Foi quando vi um “Yeti” entrando no carro e segui vocês até aqui.







— Mas eu não te falei que ela é minha avó! Como você sabe que ela é minha avó? — O vocalista perguntou, espremendo os olhos, como se aquilo o fizesse parecer um pouco mais intimidador.
— Simples: fiz umas perguntas na vizinhança. Você se chama Axl e esta é sua avó Elena, que vende bolos e tortas.
— Ok, ok. — Elena disse, segurando o braço direito do neto com força, mas sem tirar os olhos do sujeito. — Mas o que você quer então? Só queríamos fotos de Haesel e entramos na casa dele sem pegar nada de lá. — Elena reforçou a história que Axl contou a ele. — Não temos interesse em entrar em uma guerra contra esse Troy!



— Então, vocês não planejam acabar com ele?... — Dornelles ficou muito decepcionado ao ouvir aquilo.
— Exato. Não vamos entrar em uma guerra com esse sujeito e a Organização dele. — Axl disse, sério. — Se quer fazer isso, procure os policiais que o estão vigiando de vez em quando. Eles terão recursos para lhe ajudar e, inclusive, lhe proteger.
— Sei que, aqui no Quarto Império, isso é mais difícil de acontecer, mas tenho medo de que ele tenha alguém na polícia. Além disso, posso ser útil para vocês: posso tentar descobrir sobre as garotas, onde elas estão, com quem estão. Em troca, eu preciso de Simoleons para, depois, começar uma nova vida em outra nação e sumir do Quarto Império.
— Quanto? — Elena perguntou.
— Cinco milhões de Simoleons.
Axl e Elena riram.
— Apesar de este bairro ser tranquilo e legal, eu acho que você ainda não entendeu a nossa situação aqui. Eu vendo bolos e meu neto trabalha muito para mantermos a casa. Se tivéssemos tanto dinheiro, nossa vida seria muito diferente.
— Não é diferente porque vocês não usam o que têm. — Ele disse, sério.
— Como assim? — Elena perguntou, sem entender.
— Seu neto é noivo da bilionária Isabella Refaeli. Vocês não usam o dinheiro dela porque não querem!



— NÃO METE A ISABELLA NO MEIO DISSO, VELHO!!! — Axl gritou, alarmado que aquele sujeito tinha falado dela e empurrando-o novamente.
— AXL, ESPERA!!! — Ela gritou com o vocalista, olhando as fotos de Haesel novamente.
— Mas, vó!...



Elena então olhou para Dornelles e disse:
— Escute bem o que vou dizer: se você trouxer provas de que Haesel está viva, com fotos dela e endereço de onde ela se encontra, eu lhe levarei a sério. Mas, sem provas, esqueça. Além disso, só lhe darei esse dinheiro quando ela estiver ao meu lado, supondo que ela realmente esteja viva e que você não está mentindo. E se decidir nos entregar à polícia porque entramos na casa de alguém e tiramos fotos de porta-retratos, esteja à vontade. Inclusive, se isso acontecer, ficaremos felizes em contar à Troy que veio aqui com essa conversar de “nos ajudar a acabar com ele”. E então? A decisão é sua.
Axl não gostou nada do que ouviu, mas ficou quieto.



O homem abriu um largo sorriso:
— Você é jogo duro, hein, vovó! Mas tudo bem. Temos um acordo. Eu vou tentar descobrir onde a guria está, vocês poderão tê-la ao lado de vocês e, então, receberei meu dinheiro.
— Ótimo. Agora quero seu nome completo e seu número de celular. — Elena disse, em tom de exigência.
— Meu nome é Mitchel Dornelles e meu número é este. Passem-me o de vocês. — Eles então trocaram contatos. — Salvem meu nome como “Tom, cliente de torta”, para minha proteção, claro. Salvei seus contatos, no meu celular, como “Amélia” e “Jerry”. E não nos chamemos por nossos verdadeiros nomes caso precisemos nos comunicar por ligações, ok?
— Ok. Agora me explique o porquê desse caixão no quarto do Troy. — Elena pediu, séria.
— Esse foto aí só prova que o que dizem sobre ele é verdade. Falam que o psicopata dorme em um caixão, que se comporta como uma... “criatura da noite”.



— Beleza. Ele gosta de fazer de conta que é um vampiro. — Axl disse, sem levar isso muito a sério. — Então, agora que estamos conversados, “Tom”, cai fora, man. E só apareça por aqui se realmente tiver informações sobre minha irmã. Porque, até agora, não tenho motivo algum para acreditar em uma palavra do que disse.




Dornelles sorriu e foi até a mesa, pegando uma das xícaras com chocolate quente:
— Mais alguma coisa que eu possa fazer por vocês antes de eu ir embora?
— Nada, cara. Agora, vaza.
— Espera, Axl! — Elena disse.
Então ela olhou para o homem e perguntou:



— Conhece alguém que saiba trabalhar com explosivos e coisas eletrônicas?
— Para alguém que me disse que o netinho entrou na casa de Troy apenas para tirar fotos, esta é uma pergunta interessante. — Ele disse, bebendo todo o chocolate.
— E para alguém que disse querer destruir Troy, você veio muito rápido com uma proposta para conseguir Simoleons e fugir dele indo para outra nação. — Axl disse, irritado.
— Sei avaliar bem minhas alternativas. — Dornelles falou. — Entre ficar e TENTAR destruir um homem como ele ou ficar rico e ir embora daqui, a segunda opção é com toda certeza mais atrativa para mim.



— Conhece ou não conhece? — Elena repetiu a pergunta.
— Esse cara vai nos enrolar, vó. — O vocalista disse.
— Se ele nos enrolar, saberemos que não é de confiança. Este é um bom momento para ele nos dar uma informação útil e provar que não é um embuste.
— Pois, para a sorte de vocês, conheço. Mas a informação não é gratuita.
— 100 Simoleons é o que tenho. — Ela disse, tirando o dinheiro da carteira e colocando na mesa, perto dele.
O homem então olhou para Axl, como esperando que o vocalista também fizesse sua oferta; o Dwayne então, ainda mais chateado, abriu a própria carteira e colocou mais sobre a mesa:
— Mais $200. Agora, fala.



Ele pegou o dinheiro e, em seguida, tirou uma cadernetinha do casaco e uma caneta; então, anotou um nome e um endereço e deixou o papel ali, sobre a mesa. Em seguida, colocou novamente o gorro, as luvas, pegou alguns biscoitos e os colocou em um saquinho; depois, foi em direção à porta, dizendo:




— A informação sobre o carinha dos explosivos está aí nessa folha. Foi um prazer negociar com vocês. E obrigado pelos biscoitos! E assim que eu achar as garotas, virei atrás de meus milhões. — Ele sorriu, saindo.



— Vou trancar a porta. — Axl disse. — Esse sujeito não é confiável; trabalhava para Troy.
— Tranque sim, querido. Mas se ele nos vendeu a informação correta, talvez haja uma esperança de que Haesel realmente esteja viva e escondida em algum lugar.
— Ou mantida em algum lugar pelo “Maluco do Caixão”.




E Dornelles saiu, no meio da fortíssima nevasca, em direção a seu carro.



— Trancou? — Elena perguntou.
— Tranquei.
— E ele já foi embora?



— Entrou em um carro e acabou de sair. — Ele disse, observando o veículo se afastar.



— Ótimo, querido. Agora, vamos olhar as coisas pelo lado positivo: se ele falou a verdade, Haesel está viva, em algum lugar, e ele só precisa encontrá-la. Se ele nos mostrar provas de que está falando a verdade, e nós realmente a encontrarmos, então ele recebe a grana dele e some das nossas vidas.



— Vó, não temos cinco milhões!
— Vamos falar com Isabella sobre isso.
— De jeito nenhum! Não quero envolvê-la nessa situação!
— Axl, ela é sua noiva e precisa saber o que está acontecendo. Até para que volte a andar com seguranças e fique protegida, caso esse maluco ou um “capanga” de Troy resolva usá-la contra nós. Ou você não está preocupado? Se Dornelles nos achou, talvez Troy também descubra que estivemos lá.
— Eu acabo com quem se atrever a tocar na Isabella!



— Eles são criminosos, menino! Você tem muito mais a perder do que eles. Agora se sente aqui no sofá e vamos ter uma rápida e definitiva conversa sobre este assunto!



— Não vou pedir Simoleons à Isabella.
— Não vai precisar pedir. Você apenas vai falar sobre a visita desse sujeito e sobre como ele parece perigoso. Não vai tocar no assunto da caixa de Kyra e do mapa, e também não vai falar sobre nossa vista à casa de Troy; não devemos envolvê-la nisso. E vai pedir que ela volte a andar com seguranças. Também vai contar sobre o que ele disse de Haesel. E VAI aceitar quando ela oferecer os milhões que, talvez, possamos precisar caso ele esteja falando a verdade e sua irmã esteja viva. Eu tenho certeza de que ela vai oferecer. Ela é uma garota boa e entenderá a gravidade da situação.



— Olha o que você está falando, vó! Parece até que está se aproveitando da bondade dela! — Ele disse, chateado.
— Não estou. Mas você não está pensando na sua irmã! Se ela está viva, escondida ou mantida por ele, precisamos encontrá-la. E se o caminho é entregar Simoleons a esse sujeito, faremos isso, mesmo que o dinheiro não seja o nosso e que fiquemos pagando-a pelo resto de nossas vidas!
— Se ele aparecer provando que ela está viva, chamamos a polícia. Eles vão prendê-lo e encontrá-la.
— É. Vamos apostar que não há um capanga infiltrado na polícia, um desses bandidos que sujam a farda da honrada Instituição policial, que ele não vai contar a Troy que ela foi encontrada, caso realmente esteja com ele, e que o psicopata não vai mudá-la de lugar! Pensa, menino! Precisamos resolver isso nós mesmos! Daí, quando ela estiver conosco, segura, aí sim iremos atrás de detetives, porque daí ela poderá depor contra Troy, se for o caso, claro.



— Eu não gosto da ideia. — Ele disse, colocando o polegar para baixo. — Mas não costumo teimar com a senhora e estamos nessa juntos, então, ok, eu falarei com a Bella.
— Ótimo. Agora, tente dormir. Você tem gravação, certo?
— Tenho sim, vó. Mais tarde.
— Então, vá descansar, querido. — Ela deu um beijo no rosto dele e se levantou, indo para o quarto dela. — O pior já deve ter passado, assim espero.



— Ok, vó. Dorme bem a senhora também. Qualquer coisa, tô aqui.



— E não demore a dormir, Axl. — Ela ainda disse, antes de entrar no quarto dela.




No entanto, Elena demorou muito a pregar os olhos. Ficou um longo tempo sentada em sua cama, pensando em tudo que tinha ouvido. “Foi tão difícil perder meu marido, meus filhos, minhas noras, meu netinho Dave... Oh, Grande Prisma, protege meu Axl e sua noiva, por favor! E, se minha netinha Haesel estiver mesmo viva, cuida dela para mim, eu te peço!”. E assim ela ficou, fazendo suas orações, até finalmente deitar-se para dormir.



Já Axl demorou ainda mais para descansar. Primeiro, foi guardar os biscoitos que sobraram.



Depois, tomou uma xícara de chocolate quente, já que estava muito frio e aquilo ajudava bastante a esquentar.



Em sua mente, as palavras de Dornelles e a imagem de Haesel. “Será que ela está viva mesmo?”, ele se perguntava, inquieto.



Depois, colocou as xícaras na máquina de lavar louças.



Então, foi até a mesa, pegou seu celular e tirou uma foto, bem nítida, do papel com o nome e o endereço do contato que o carinha lhes tinha vendido; em seguida, jogou a folha no fogo da lareira.



Também decidiu queimar as fotos que tinha imprimido. E, depois, foi para seu quarto.





Entrou em seu banheiro.



Escovou os dentes e retornou à sala.



Lá, ficou jogando online um pouco. Não estava conseguindo dormir; sua mente estava agitada.



E se Haesel estiver mesmo nas mãos daquele louco? Cara, não quero nem imaginar o que eu posso fazer com aquele sujeito se ele a machucar!”, ele pensou. “Agora, de certa forma, até entendo um pouco a superproteção do Nickollas com a Bella. É a irmãzinha dele, né?... Eu nem conheço a Haesel e já sinto esse peso de, por ser o irmão mais velho, ter que cuidar da segurança dela... Mas tá. O Nick exagera. Quero ser um irmão legal, não um cara como ele.”.



Ficou também um longo tempo perdido em seus pensamentos, até que parou o jogo, já que não estava conseguindo se concentrar muito, até mesmo porque já estava ficando exausto, e mandou uma mensagem para a noiva: “Bom dia, coração! Tô indo dormir agora. A gente pode se ver hoje, mais tarde? Posso te pegar na sua facul quando eu sair do estúdio. Tenha um bom dia, tá? Te amo!”.



E acabou dormindo no sofá.



Enquanto, lá fora, a nevasca tinha ficado ainda mais forte.






Mais tarde, nos Estúdios Plumbob.



Axl chegou cedo ao local de gravação; e a diretora, Seema Anand, já estava no local direcionando todos, dando ordens e organizando tudo para que começassem a rodar a peça publicitária sem atrasos.
— Boa tarde, Seema! — Ele sorriu, cumprimentando-a. Apesar da mente cheia por conta da possibilidade de sua irmã estar viva, o vocalista estava se sentindo melhor após ter descansado bem e, também, por estar ali para fazer algo que amava.
— Boa tarde, garoto. Fico feliz que tenha chegado antes, assim, poderemos adiantar as coisas por aqui. Agora, vá se arrumar.
— Pode deixar!



Vivan Basu, o figurinista, o deixou pronto:
— Uau, que piratão! Mais um trabalho meu que ficou maravilhoso!
— Ficou show mesmo, cara! Obrigado!
  




E Axl deixou seus poucos fãs por dentro de mais aquele trabalho, tirando fotos de si mesmo e filmando o local (mostrando apenas o que lhe era permitido, claro).



Mas nem tudo eram flores o tempo todo; naquele dia mesmo, a produtora Cristina se aproximou dele e lhe pediu que ajudasse uma atriz a repassar seu texto.
— Ajudo sim! — Ele disse.



Ele só não imaginou que “ajudar”, naquele caso, significava apenas ser o “apoio” para o texto dela.
— Oh, tá doida? — Axl reclamou. — Vai rolar isso não, viu! Já era o tempo em que eu deixava as pessoas me tratarem como queriam ou abusarem da minha boa vontade, senhora. Dá licença!
Mas fora pouquíssimos Sims sem noção, o clima no trabalho era muito bom e a maioria ali era bastante amigável.




Até que chegou o momento da gravação finalmente começar e ele novamente pôde fazer o que tanto amava: cantar!
— ♫ Sabão Salgado, Sabão Salgado, lavei minha louça da pia empolgado! Sabão Salgado, Sabão Salgado, lavei as roupas de pirata animado! ♫



— ♫ Sabão Salgado, Sabão Salgado, limpei o convés do meu barco encalhado! Sabão Salgado, Sabão Salgado, comprei bem barato no supermercado! ♫



— Aye!!! Lave tua louça, roupas, piso de casa e a cara de pau de uns e outros com o único sabão que não faz doce porque é salgado: o Sabão Salgado, das empresas Ômega S/A! Arrrrrr!!! — Ele disse, falando como se fosse um pirata. — Compre agora ou pare na prancha!
— CORTA! Excelente! — Seema disse.



Axl então conversou um pouco com a diretora e os produtores e, então, seguiu para pegar Isabella na faculdade; ela sairia mais cedo naquele dia.




Poucas horas depois,...



Da universidade, eles seguiram para a bela cidade de Windenburg, onde pararam em uma pet shop (que também era uma clínica para animais).




Isabella estava comprando alguns produtos para seu gatinho Sushi.



— Acho que é tudo. — Ela disse, torcendo para não ter se esquecido de algo.



— Bella mia, deixa eu te falar... Estar aqui me fez ter uma ideia. Me diz o que você acha: adotar um cão de guarda.
— Um cão de guarda? — Ela estranhou. — Por que precisa ser necessariamente “de guarda”?



— Porque me sentirei mais tranquilo sabendo que minha avó estará com um cachorro protetor ao lado dela quando eu não estiver em casa. — Ele iria contar sobre Dornelles para a noiva, mas não ali.



— Eu acho que adotar um animal é uma ideia maravilhosa! — Ela sorriu, abraçando um boneco de pelúcia ali.



— Será que aqui eles têm alguma lista de animais que estão na fila de adoção? — Ele perguntou.



— Existe um cadastro nacional de bichinhos disponíveis, mas essas lojas também têm contato com pessoas que possuem pets precisando de um lar. O Sushi mesmo adotei de uma família cuja gatinha teve uma ninhada grande; eles já tinham conseguido família para todos os babies e só faltava ele. Mas é necessário pagar o valor para que a papelada da adoção seja feita. Pelo menos, até onde eu me lembre. É bom confirmarmos com alguém que trabalhe aqui. E também é preciso comprar a tigela de ração, a própria ração, caminha, brinquedos, roupinhas...



— Roupinhas, Bella? Vai ser um cão de guarda. — Ele riu.
— E daí? — Ela disse, indo com ele até a área onde havia caixas para guardar os brinquedinhos dos bichos. — Tem que comprar coisinhas como essas daqui, olha.
— Tá bom. Mas, para isso, preciso do cachorro primeiro. Vou falar com o responsável daqui então... — Ele disse, olhando ao redor. Com o trabalho que tinha feito naquele dia, tinha recebido mais do que o suficiente para adotar um animal.



— Acho que aquela senhora pode ajudar, mô. — Isabella disse.



A mulher então se dirigiu até eles, sorrindo:
— Ei, você não é aquele moço da propaganda da coletânea de músicas country da Gravadora Certa Neja*?
— Eu mesmo! — Ele sorriu, feliz por ter sido reconhecido.
— Eu te vi ontem na TV. — Ela sorriu. — Você tem uma voz linda! E é bem mais bonito pessoalmente também!

* Nota: um trabalho que Axl fez no Capítulo 33 desta história.



— Então, minha Senhora,... — Isabella se meteu na conversa, um pouco incomodada com a mulher toda cheia de sorrisos para cima do vocalista. — O Axl é meu noivo e estamos interessados em adotar um cão de guarda.
— Isso! — Ele disse. — Mas eu não quero um cachorrinho pequeno, sabe? Quero uma raça grande mesmo, se possível.



— Vocês já deram uma olhada no Cadastro Nacional de Adoção de Pets? — Ela então passou o endereço para ele, que procurou no celular.





— Olha, eles são todos muito bonitinhos, mas eu queria um dog maior, sabe? — Axl falou.
— E a senhora poderia nos explicar como funciona o cadastro de animais nas lojas, por favor? — Isabella perguntou.
— É simples: Sims que querem que seus animais sejam adotados por outras famílias nos passam todos os dados dos bichinhos. No final do mês, enviamos esses dados ao Cadastro Nacional e eles ficam disponíveis a todos do Quarto Império. — Ela explicou.



— Isso quer dizer que talvez exista algum cachorrinho que se enquadre no que eu gostaria aqui no cadastro de vocês? — Axl perguntou, esperançoso.



— Exatamente. — A mulher sorriu. — Vamos fazer o seguinte: me passe seu e-mail que eu enviarei os animais que temos disponíveis aqui, pode ser? Se gostar de algum, é só me dizer e vir buscá-lo amanhã no final da tarde.
— Aqui meu cartão. — Isabella o entregou a ela. — Pode enviar ao meu e-mail. Nós escolheremos juntos e lhe avisaremos. — Mas o objetivo da loira fazendo isso era mais “marcar território”, já que tinha sentido que a mulher queria era o contato de seu noivo.



Depois disso, a Refaeli foi pagar suas compras, enquanto Axl brincava com um dos cachorros que tinha chegado ali para fazer exames.



Quando saíram da loja, já estava escuro; Axl colocou as coisas no carro e a convidou:
— Minha noiva linda e ciumentinha quer jantar comigo no Shimuzu?



— Eu jamais diria não a um convite desses. — Ela sorriu. — E sou ciumentinha mesmo! O que é meu, é meu, querido. Aqui comigo não tem essa de “ser moderninha”, não.
— Então somos dois! — Ele disse, agarrando-a pela cintura e enchendo-a de beijos.
E então os dois foram caminhando até o local.




Restaurante Shimuzu.




— Só não estou vestida de forma apropriada, né?... — Ela disse. — Eu achei que iríamos à academia depois que saíssemos do pet shop.
— A academia pode ficar para amanhã? Eu meio que troquei o dia pela noite... Fiquei acordado a noite inteira... Daí, dormi pouco, porque tive que acordar para ir à gravação... Daí, tô meio acabado agora.
— Ficou fazendo o quê que não conseguiu dormir, mô?
— Jogando. — Ele respondeu, omitindo todo o resto.
— Ah, tá! Mas, olha, se você quiser ir para casa, podemos deixar esse jantar para outro dia.
— De jeito nenhum! Faço questão de jantar contigo. — Ele sorriu.



Entraram, escolheram uma mesa, fizeram seus pedidos e ficaram conversando; quando os pratos chegaram:
— Amo muito isso! — Isabella sorriu.
— É, eu sei. — Ele disse, com um sorriso no rosto também.
— E este é um dos meus restaurantes preferidos.



— É muito bom mesmo. Mas... Ãhnnn... Escuta, Bella, preciso te contar uma coisa...
— O que aconteceu? — Ela perguntou, preocupada.



— Preciso te explicar o porquê de eu estar atrás de um cão de guarda.
— Ok... — Ela o olhou, séria, esperando a explicação.
— Então,... Hoje, pouco antes do amanhecer, um homem apareceu na porta lá de casa dizendo que Haesel pode estar viva, que tentaria localizá-la e que, caso conseguisse, gostaria de alguns Simoleons em troca de seu “serviço”. Ele sabia meu nome, o da minha avó e citou o seu, falando que você vem de uma família bilionária.



— E que homem era esse? E por que não chamou a polícia? E D. Elena está sabendo disso?
— Está, sim. Ela acabou participando da conversa com o sujeito também. Vamos chamá-lo de “Tom”, ok? E não chamamos a polícia porque ele não cometeu crime algum lá em casa. E porque ficamos receosos de que, falando à polícia sobre Haesel estar viva, isso acabasse chegando ao suposto sequestrador dela e ele decidisse protegê-la ainda mais.



— Como esse “Tom” provou o que disse? E se isso for uma jogada para arrancar Simoleons de vocês? — Ela perguntou, preocupada, bebendo um pouco do néctar.
— A questão é essa: ele não provou. E também desconfiamos que ele pode estar mentindo. Mas não temos nada a perder. Então dissemos a ele que só receberá alguma coisa quando ela estiver ao nosso lado, segura. Caso isso realmente aconteça mesmo, claro.



— E quanto ele pediu?
— Âhnnn... Uma quantia aí. — Axl disse, sem querer falar.
— Quanto?
— Não vamos falar sobre isso agora, ok? Mesmo porque não há prova alguma de que minha irmã está viva. Ele pode ser apenas um aproveitador querendo usar a dor da família.



— Axl, ou você me conta tudo ou não me conta nada.
— Eu não quero te envolver nisso, ok?



— Mas eu já estou envolvida. Agora, fala.



— Cinco milhões de Simoleons. — Ele disse, sem olhá-la; não se sentia confortável falando aquilo.



— Escuta, se ele conseguir levar Haesel até vocês, nós iremos pagá-lo, ok? — Ela o olhou, séria.



— Eu não quero usar seus Simoleons, Bella. E também estou preocupado com sua segurança. Quando ele tocou no seu nome, fiquei louco!... Será que você pode voltar a andar com guarda-costas?



— Posso, sim. Mas só se você aceitar minha ajuda, ok? Pode ser? Você precisa entender que eu te amo e que, caso não me deixe ajudar, vou me sentir péssima por isso. Além do mais, é pela sua irmã, caso isso seja verdade. Mas por que não me falou isso tudo antes?



— Eu estou tentando não acreditar demais nas palavras dele, sabe? Eu não quero ficar alimentando essa esperança de que Haesel está viva e, depois, quebrar a cara.



— Eu entendo você e concordo que não deva alimentar esperanças. Mas caso isso venha a ser verdade, não hesite em me dizer, porque pagaremos o que for para que ela esteja segura com você e D. Elena, Axl. Ok?
Ele ficou calado. Não estava gostando nem um pouco daquela situação, principalmente por sua avó ter lhe dito que ela diria exatamente aquilo.
— Axl! Ok? — Ela repetiu.
— Ok. — Ele disse, da boca para fora, tomando todo seu néctar; mas a verdade era que, internamente, ainda tentava pensar em alguma maneira de não usar os Simoleons dela.



— Ótimo! — Ela sorriu. — Então vamos nos divertir e curtir esta comida deliciosa! Vamos deixar para nos preocupar quando a situação efetivamente ocorrer, se ocorrer, certo?
— Certo. — Ele sorriu. E então focou em conversas mais leves com ela; falou sobre como tinha sido a gravação naquele dia; e ela contou como tinha sido seu dia na faculdade.



Depois, os dois pediram sobremesas experimentais.



E Axl ficou apaixonado pela Torta Shimuzu (uma torta de sorvete de chocolate com recheio de brigadeiro branco e cobertura mista de brigadeiro e calda caramelizada violeta); já Isabella provou o Petit Gateau Shimuzu (bolo redondo com creme quente de chocolate misturado internamente com sorvete de baunilha, acompanhado de chantilly solidificado e esculturado).




Saíram bem felizes após aquela maravilhosa janta. E, já no caminho para o carro, Isabella ligou para o chefe de segurança da família Refaeli e solicitou dois agentes para sua proteção, dizendo ter visto um carro seguindo-a; falou isso para não ter que entrar em detalhes sobre os reais motivos.




Depois que entraram no veículo, Axl deixou sua noiva em casa e ficou esperando os seguranças dela chegarem; quando isso aconteceu (o que não demorou muito), ele voltou para sua residência, já que não queria deixar sua avó sozinha.








— Boa noite, vóinha.
— Querido, você chegou na hora certa!!! Olhe a propaganda que está passando agora aqui na TV!!! — Ela disse, empolgada.



— A Gravadora Certa Neja traz, neste inverno, uma nova coletânea com as mais clássicas músicas country tocadas em nosso Império! Até eu, que curto metal, curti! Imagina aí! — Axl dizia, na televisão.
— Olha euuuuuuuu!!! — Ele sorriu.



— Mas é muito lindo esse netinho que eu tenho! — Ela disse, feliz, indo até ele.
— Lindo nada, vó! São os teus olhos! — Ele riu.
E os dois se abraçaram.



— Como foi seu dia, vovó? Foi tudo tranquilo por aqui?



— Foi sim, querido. E eu pensei muito e decidi que não devemos criar esperanças sobre o que aquele homem falou sobre Haesel. Caso o que ele realmente tenha dito seja verdade e ele apareça com provas, daí resolveremos as coisas.
— Exatamente o que a Bella disse. — Ele sorriu.
— E você contou o que houve a ela?
— Sim... Contei sobre a visita de Dornelles e já a deixei em casa com os seguranças dela por perto.



— Muito bem, querido. E sobre os Simoleons que Dornelles pediu?
— Tive que contar também. E claro que ela quer ajudar, mas, sinceramente? Não gosto disso.



— Bem, meu amor,... — Ela disse, sentando-se e voltando a assistir seu programa. — Lamentavelmente, não temos de onde tirar cinco milhões, caso o que ele disse seja verdade, claro. A não ser, claro, que você saia das propagandas e tente algo na área das séries e novelas. Daí, sim, você vai fazer dinheiro, ficará famoso e poderemos ter uma casa em Sulani, para curtir uma praiazinha todos os dias.



Séries e novelas? É mesmo! Por que só estou focando em propagandas? Ah, tá! Porque comecei agora.”, ele pensou.



— Pois guarde bem o que vou dizer, vó: passaremos nosso verão em Sulani, e nadando em Simoleons! Mas, agora, vou tomar meu banho e dormir. Amanhã, se tudo der certo, teremos um cachorrinho aqui em casa. Um cão de guarda.
— Se for brabo demais, nem quero. Não quero ser mordida dentro da segurança do meu lar.



— Não vai seeeeeer! — Ele respondeu, rindo.



Pois bem! Hora de começar a focar no que vai me dar um maior retorno.”.



Axl então começou a fazer uma rápida pesquisa em seu PC.



E, em seguida, aproveitou que não era tão tarde para fazer uma ligação muito importante e que poderia mudar sua vida.











Obrigada, amigo Simmer, por acompanhar minha história!
Deixe seu comentário abaixo! S2
Tenha um ótimo dia! :)



CRÉDITOS:

SIMS:
- Baixados da Galeria e, alguns, modificados.


LOCAIS:
- Vizinhança Parque da Miragem, em Del Sol Valley:
Casa dos Dwaynes: Del Sol “Starter”, by laurenmr24; minha versão não está disponível.
Casa de Venessa: by isarpgista;
Lote Círculo Interno (renovado): by isarpgista.

- Vizinhança de Windenburg:
Pet Shop e Clínica: em isarpgista (minha versão é baseada no lote “Animalerie”, de Evanhero, que, por sua vez, tem como base o lote “Pet Shop”, de gabbi1989);
Restaurante Shimuzu: em isarpgista (baseado no lote original “Shimuzu”, de Maxis);
Delicatessen: Yummies 4 Tummies, by Karrterr12; a versão usada em minha história (um restaurante) está disponível em minha conta isarpgista, com o nome “Grandma’s Delicatessen”.


OUTROS:
- Cabelo usado por Isabella:
- Cabelo usado por Haesel (na foto de capa):
- Comida: Sushi Funcional, by OhMySims; você também precisará deste Mod para que esse alimento funcione no seu jogo: Custom Food Interactions.


Obrigada a todos criadores!
Thank you to all creators!




8 comentários:

  1. Weeeeee capítulo novooo

    1. Esse Dorneles chegou chegando! Não sei se é confiável. Se bem que as cicatrizes podem dizer que ele está dizendo a verdade. Ainda bem que a dona Elena é esperta e está conseguindo controlar tudo. Axl está nervoso, mas ele tem seus motivos.
    2. Bahh, tomara que a irmã de Haesel esteja viva de alguma forma.
    3. Tomara que esse cara ajude. E eles três devem acabar com esse Troy, porque acho que não tem outra maneira de salvar a Haesel sem matar o Troy.
    4. "— Beleza. Ele gosta de fazer de conta que é um vampiro. — Axl disse, sem levar isso muito a sério." Aiii aiii, Axlzinhooo se vc soubesse que você já conheceu uns!!! Hihi S2
    5. Genteee que barra!!! Que coisaaa seria isso! Esse cara aí querendo grana!
    6. Tadinho do Axl, tomara que se resolva tudo logo. Meu coração tá apertado aqui
    7. Que lindo o Axl ensaiando e tô rindo da mulher o usando de apoio hahahaha
    8. "— ♫ Sabão Salgado, Sabão Salgado, lavei minha louça da pia empolgado! Sabão Salgado, Sabão Salgado, lavei as roupas de pirata animado! ♫" hahahahahaha super ameiii
    9. Bella toda ciumenta XD
    10. Coisa mais linda esses dois S2
    11. Eles de mãos dadas S2
    12. Que bom que Axl contou e que Bella toda linda vai ajudar. Não esperava nada do contrário :D
    13. Lindos lindos lindos
    14. Axl todo faceiro se vendo na TV S2
    15. Obaaa será que Axl vai virar ator??? :D

    Curiosa e mal posso esperar para o próximo capítulo!!

    Ameiiiiii!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiiiiieeee, Maaaaah!!! \o/ :D
      Respondendo: :D

      1. D. Elena é mais sangue frio! Axl ficou muito irritado com o jeito do carinha!
      2. A Melissa infelizmente morreu mesmo. O Troy realmente matou a própria irmã. :(
      3. O Troy é mesmo um grande problema! Ele precisa pagar por tudo que fez.
      4. Eu pensei a mesma coisa quando escrevi isso! Kkkkkkkkkkkkk... Axl sabe de nada! xD :D ;) S2
      5. Um safado, né?
      6. Ooooh! :( Mas vamos torcer para que o bem triunfe! :)
      7. Essa cena ficou bem engraçada! Quando dei pause no jogo e vi como eles pararam, imaginei essa cena na mesma hora! xD Kkkkkkkkkkkkkkk...
      8. Kkkkkkkkkkkkk... xD E eu só leio no ritmo de “Sabão Crá-Crá”, dos Mamonas. xD
      9. Ela é ciumentinha, mas dentro da normalidade. :)
      10. Ooooooowwwnnnn! S2
      11. Tão fofinhos, né? S2
      12. Com certeza! Eles se amam muito! :) S2
      13. Ooowwnnnnnn!!! S2
      14. Ele achou muito legal isso! Acho que ele vai se acostumar rápido com a fama, quando ela vier! :D
      15. Olha, ele está indo por esse caminho, com certeza! Mas jamais largará a música! :) S2

      Ooowwwnnn!!! S2 Amei muito seus comments, Maaaaaah!!!
      Muito, muito, muito obrigadaaaaaaaa!!! :D S2

      Excluir
  2. O cara tá todo detonado mesmo!

    Essa avó do Axl manda bem! Se o Mitchel tentar ferrar a dupla ele se ferra junto!

    “Maluco do Caixão” foi um bom apelido

    Não fui com a cara desse Mitchel. Parece o tipo leal a quem paga mais.

    Isso de ficar sem dormir é perigoso pra quem trabalha como ator. Vai dar ruim se ele continuar assim.

    Essa diretora tem cara de braba!

    Essa produtora é sem noção de mais.

    Achei muito engraçado a Bella tendo essa crise de ciumes.

    "Eu jamais diria não a um convite desses" Se tem comida no meio ela topa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiiie, Tatsu! :D Respondendo: :)

      1. Sim, sim! Troy realmente o arrebentou!
      2. Exatamente! D. Elena é bem esperta.
      3. Kkkkkkkkkk... Verdade! Foi um bom apelido mesmo! xD
      4. Ele não parece confiável realmente.
      5. É verdade! É bem ruim trabalhar cansado.
      6. Tem mesmo! Kkkkkkkkkkk... xD
      7. Com certeza! xD
      8. Os dois são meio ciumentinhos, mas dentro do normal, sem exageros. :)
      9. Principalmente se for comida japonesa, que ela amaaaaaaaa! :)

      Muito obrigada pelos comments, Tatsu! Adoreiiiii! :D

      Excluir
  3. 1- Caraca o Dornelles sofreu muito, sorte dele não ter morrido.

    2- Nossa que perigoso fazer negócio com o Dornelles, mas a Elena é bem esperta. Vou confiar nela, eu entendo o Axl não querer pedir dinheiro da Bela, mas também entendo a Elena.

    3 - As carinhas do Axl pensando sem dormir ficaram de dar dó, ficaram ótimas.

    4- Axl ficou bonito de pirta. HAHAHA ri da ajuda dele a atriz, servindo de apoio, coitado.

    5- Quero comprar o Sabão Salgado! hahaha

    6 -Adorei a Bela com ciumes, tem que mesmo cuidar do que é seu.

    7 - Eu também quero ver esse cãozinho de guarda que vão arranjar.

    8 - Poxa eu entendo o Axl ficar sem jeito por causa do dinheiro da Bela, mas também entendo que ela quer ajudar, é chato não poder ajudar. As vezes é preciso deixar o orgulho de lado. Mas tomara que Axl consiga o dinheiro sozinho, porque aí ele não vai se sentir mal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiieeeeee, Jeeeess!!! :D Respondendoooo: :D

      1- Com certeza! Talvez ele tenha dado essa “sorte” porque Troy quis que ele lhe “vendesse” sua loja... Talvez. Mas o fato é que ele realmente teve sorte em ficar vivo. O ruivo não parece ser do tipo que poupa as pessoas.

      2- Sim, sim! Elena não é boba, não. E ela não tem motivos para confiar nele. Mesmo porque ele não mostrou provas do que disse. E é realmente complicada a situação. Dá mesmo para entender os dois lados: os de Axl e de D. Elena...

      3 – Também fiquei com dá quando fiz as fotos. xD Mas ele realmente ficou bem mexido com tudo que ouviu. :(

      4- Também achei, Jess! Ele combinou muito de pirata! xD E ele servindo de apoio ficou ótimo tb! xD Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...

      5- Kkkkkkkkkkkkkkkkk... Opaaaaaaaaa!!! Vou avisar à Ômega S/A que Axl precisa mesmo virar o garoto-propaganda deles, hein! xD :D

      6 – Kkkkkkkkkkkkkk... Ela é ciumentinha, sim. E ele tb! Mas dentro da normalidade! Nada doentio ou exagerado! Aí, não! :)

      7 – Espero que você goste dele! É muito fofinho! :D

      8 – Super concordo contigo, Jess. Orgulho é algo ruim e que só atrapalha a vida das pessoas. E Isabella com certeza não vai deixá-los nunca sem ajuda. Mas realmente seria bom se ele conseguisse o dinheiro por si mesmo! Vamos torcer por isso! :)

      E muuuuuuuito obrigada pelos comments, Jess!!!
      Amei demaaaaaaaais, viu!!! :D S2

      Excluir
  4. Mais um capítulo!! Já não estou tão perdida na história!! =]

    1- o Dorneles não é boa coisa, mas tá difícil a situação pro Axl, não tem mta escolha =[
    2- a vovó Elena é forte, olha como ela se junta com o Axl. vai vovó!
    3-Axl tem que entender que a Bela pode ajudar,e estamos falando da irmã dele gentii
    4- hahaha, olha essa propaganda do sabão salgado. pq será que achei a cara do AXl?
    5- que legal, ele vai adotar um cachorro.. pera.. eu vi ele no cap 38 *-*
    6- esse restaurante é muito maneio, asiático ne. show Ficou bonito em Windenburg <3
    7-sabia que a Bela ia ajudar! mas esse Dorneles pode fugir com a grana gente, cuidado
    8- AXL NA TV ,QUE MANEIROOOO Gravadora Certa Neja uhauhauha
    9 - Isso ai Axl, foca na carreira.

    Esse capítulo foi bem leve, em comparação ao outro que foi bem pesado, deu uma equilibrada. boa sacada Sally ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiiiieeeeeee, Niiiiiih! :D
      Tô tão feliz que você leu todos! S2
      Respondendo: :D

      1. Com certeeeeeeza! A situação não é muito fácil. =//
      2. Ela é maravilhoooooosa! :D E defende o neto com unhas e dentes. :)
      3. Com certeeeeeeeeza! Super concordo com isso!
      4. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk... Bem ele mesmo, né? xD
      5. Sim, siiiiiiiiiiiim! É o Buddy! :D
      6. Sim, sim! Ele é um restaurante da Maxis que eu reformei e coloquei na galeria! :D Ele é lindoooooo! Fiz de tudo para mantê-lo bem perto do original.
      7. Esse é um medo real. Dornelles não parece confiável.
      8. Hihihihihihihi... Sim, siiiiiiiiiiiim! Axl agora está na TV dos Sims do Quarto Império! :D
      9. Tá focado, tá focado! :D

      Sim, sim, Nih! Eu não gosto quando pesa demais e procuro tentar equilibrar. Fico feliz que tenha notado isso! :D
      E muuuuuito obrigada pelo comment, Niiiiih!
      Beijoooo!!! :D

      Excluir